Está aqui

153 mil menores ainda não têm médico de família

Um relatório do Conselho Nacional de Saúde indica que há 153 mil crianças e jovens sem médico de família e que a cobertura da vacina contra o sarampo é insuficiente.
Foto de SantaRosa/Flickr

A legislação diz que é obrigatório que as crianças tenham médico de família. Mas o relatório “Gerações Mais Saudáveis” do Conselho Nacional de Saúde (CNS) indica que há “obstáculos” que são “particularmente preocupantes na região de Lisboa e Vale do Tejo, mas também nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira”. Na zona de Lisboa são quase 110 mil. E na região da Madeira correspondem a 40% do total de menores. O CNS recomenda que “seja reforçado o acesso aos cuidados de saúde primários para crianças” porque “é necessário assegurar que todas as crianças têm médico de família atribuído”.

O mesmo relatório identifica várias regiões em que a cobertura da vacina contra o sarampo aos seis anos de idade é insuficiente. A segunda dose da vacina, que deve ser administrada aos cinco anos, está em falta em “vários agrupamentos de centros de saúde”. E, aqui, é o Algarve que está mais em falta. O documento sublinha que estes dados ganham relevância “se for tida em conta a intensa atividade epidémica do sarampo na Europa, facto que, nos últimos dois anos, foi responsável por três surtos de sarampo em Portugal”. Atualmente, há dois surtos de sarampo ativos na região de Lisboa, que já infetaram pelo menos 22 pessoas, segundo o último balanço feito pela Direção-geral de Saúde.

Termos relacionados Sociedade
(...)