Está aqui

As tarefas de João Semedo

As duas últimas batalhas - uma nova lei do SNS e a morte assistida - foram as mais difíceis e não conseguiu ganhá-las. Mas não as perdeu. Deixou sementes.

Já sabíamos, mas como custa que nos morra um companheiro, combativo como poucos: quando o João percebeu que o cancro o tinha vencido, ainda assim nunca desistiu de puxar pelos outros. Ainda há poucos dias acompanhou o debate sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e foi trocando mensagens com vários amigos sobre como proteger a joia da democracia. Conseguir, ele era um homem de conseguir e de nunca desistir.

Uma história ilustre

Como se lembrou neste jornal, ele arregaçou as mangas no apoio à população vítima das cheias de 1967. O que teria dito aquela calamidade a um jovem de 16 anos? Foi assim que percebeu o que era o fascismo, aprendeu mesmo. Estava então já a chegar à Faculdade de Medicina, onde viria a ser dirigente associativo, no caminho esteve preso em Caxias. Ele lá estava, naqueles plenários de homéricas discussões entre correntes políticas antifascistas em Santa Maria, não sei o que teria dito, mas viveu certamente a intensidade desse tempo. Estava, conseguiu. Fez-se à vida, conheci-o depois diretor de hospital, político experimentado. Foi-me apresentado pelo Miguel Portas, que habitou ideias e vontades comuns, com diferenças de geração e com picardias, muita amizade à mistura, naquela lealdade que se forja no sentido comum. O Miguel pediu ao João que representasse os seus amigos no dia em que faltasse.

Semedo foi militante comunista, dirigente, funcionário, nunca cortou a ponte de amizade e camaradagem, sentia-se bem com quem tinha o mesmo coração. Muitos dos seus companheiros do passado estiveram no velório e contaram aquelas histórias apaixonadas de quando discutiam com o seu controleiro um texto ou uma intervenção difícil. Ficou amigo de todos.

Construtor do Bloco de Esquerda, ele sabia como era difícil transformar a esquerda, que conhecia como poucos, mas nunca lhe vi um sinal de abandono. Conseguir, fazer, juntar, aprender, ele sabia por onde ia. Disse, numa entrevista no fim de vida, que foi feliz, fez as escolhas que importam, encontrou quem conta, nunca foi contra o seu instinto, nunca fez nada de que discordasse — e se isso é a definição da liberdade! — e prosseguiu procurando na energia da vontade a força física que lhe faltava. Quem partilhou com ele algum momento dessa vida sabe como gostava de abraçar os amigos, de acompanhar a Ana Maria e o Miguel, seu filho, foi assim que fez o seu tempo.

O que fica por fazer

As duas últimas batalhas de João Semedo foram das mais difíceis e não conseguiu ganhá-las. Também não as perdeu, deixou sementes de soluções que se impõem e que vencerão, mas já não foi com ele, tudo continua.

A última foi a da morte assistida, o direito a escolher o seu tempo para morrer com dignidade quando já é inevitável. Falou com todos, estudou, mobilizou, juntou, fez pontes. Era nisso que era extraordinário. Cinco votos faltaram. A lei que será um dia aprovada terá sempre o seu nome.

A batalha do SNS está ser travada agora mesmo. Era a preocupação da sua vida e, com Arnaut, não hesitou em mostrar os riscos: “O Serviço Nacional de Saúde vive uma crise indisfarçável. Julgamos mesmo que, em rigor, pode dizer-se que há muito que esses limites foram ultrapassados, sobrevivendo o SNS à custa da entrega abnegada dos profissionais de saúde aos seus doentes e serviços. O SNS está em regressão e declínio. Nos últimos anos, tem sido vítima de um arrastado processo de degradação e degenerescência: degradação do seu funcionamento e da resposta às necessidades dos seus utentes, degenerescência dos seus princípios fundadores. Se nada for feito para suster e inverter esta curva descendente, o SNS deixará de ter condições para continuar a ser o garante do direito à saúde e, onde hoje temos um direito reconhecido e consagrado, passaremos a ter apenas negócio e nada mais do que negócio”, escreveram numa mensagem que publicaram no último 25 de Abril.

Foi por isso que Semedo e Arnaut propuseram uma nova lei de bases. Sabiam que não seria fácil e que mesmo dentro das instituições a gangrena vai avançada: “Surpreende por isso e causa-nos profunda inquietação a atitude facilitista e despreocupada e, até, algum tom desculpabilizante, por vezes muito próximo do autoelogio, dos responsáveis pela política de saúde.”

Estavam convencidos de que esta lei é necessária: “Ou a democracia acaba com o assalto dos grupos privados ao SNS ou estes vão concluir o que puseram em marcha há 30 anos: o desmantelamento do SNS. (...) Por isso apresentámos recentemente a proposta de uma nova Lei de Bases da Saúde. Da atual já nada há a esperar, a direita fez dela a sua plataforma para assaltar o SNS — a livre concorrência entre público e privado, a privatização da prestação de cuidados e da gestão dos hospitais públicos, o subfinanciamento, o fim das carreiras profissionais, a precariedade e a desregulação laborais, o desvio de profissionais e de outros recursos, os hospitais-empresas, as PPP, a desvalorização da saúde pública, a secundarização da promoção da saúde e da prevenção da doença, a gestão centralizada e a incapacidade de reformar e modernizar o SNS.”

Ambição imensa, essa de conseguir refazer “um SNS universal, geral e gratuito, de gestão integralmente pública, cuja prestação de cuidados obedeça a padrões de qualidade e humanidade e que se relacione com as iniciativas privadas e sociais na base da complementaridade e não da concorrência. Em resumo, o que pretendemos é uma Lei de Bases da Saúde em linha com a lei do SNS, a lei de 1979”. Não é pouco, é tudo. Era o que lhe pediam colegas e utentes do SNS. Era o sentido da sua vida. É a tarefa que nos deixou.

Artigo publicado no “Expresso” de 21 de julho de 2018

Sobre o/a autor(a)

Professor universitário. Ativista do Bloco de Esquerda.
(...)

Resto dossier

João Semedo (1951-2018) - Foto de Paulete Matos

João Semedo (1951-2018)

Neste dossier, lembramos João Semedo, antigo coordenador do Bloco de Esquerda, através de artigos, opiniões, vídeos, fotogalerias que o esquerda.net publicou desde o seu falecimento, em 17 de julho passado.

Homenagem a João Semedo este sábado em Lisboa

Amigos, camaradas e familiares do antigo coordenador do Bloco vão lembrá-lo numa homenagem pública, este sábado a partir das 16h30 no Teatro São Luiz.

João Semedo: discursos marcantes

Relembramos neste podcast alguns momentos marcantes de João Semedo no Bloco.

Continuamos a caminhar, João

Coube-me a tarefa de assessorar o João no seu primeiro debate parlamentar, uma interpelação ao governo sobre política de saúde, pouco depois da sua chegada a S. Bento.

Homenagem a João Semedo (podcast)

Podes ouvir aqui todas as intervenções na sessão de homenagem a João Semedo, que decorreu a 19 de julho no Teatro Rivoli, no Porto.

O privilégio foi todo nosso, João

O João Semedo mostrou-nos que a política não se resume aos cargos, ao protagonismo nem ao poder vazio.

As tarefas de João Semedo

As duas últimas batalhas - uma nova lei do SNS e a morte assistida - foram as mais difíceis e não conseguiu ganhá-las. Mas não as perdeu. Deixou sementes.

João

O generoso João garantiu que seríamos muitos mais do que pensávamos a ter essa consciência e prontos para assumir essa responsabilidade.

Obrigada, João

Teve intervenção política por inteiro até ao fim. Perguntou, sugeriu, alertou. Discutimos tudo o que ia acontecendo, nenhum tema deixou de o ocupar.

Centenas de pessoas encheram o Rivoli nesta homenagem póstuma a João Semedo.

João Semedo: Rivoli a transbordar para a homenagem

Foi de casa cheia que o Rivoli homenageou João Semedo. Amigos, família, camaradas, centenas de pessoas juntaram-se ali para esta despedida em jeito de homenagem.

Homenagem a João Semedo

Veja aqui a sessão de homenagem a João Semedo realizada esta quinta feira no Rivoli, no Porto.

O braço do João

A morte do João Semedo surpreendeu-me, de tal forma, que ainda me custa a acreditar que se foi e que não vou receber mais aquelas mensagens encorajadoras nos maus momentos e de felicitações nos bons.

João Semedo

O João percebeu que o cancro o tinha vencido, mas nunca desistiu de puxar pela vida.

Intervenções, testemunhos, poesia e música para homenagear João Semedo

A sessão de homenagem ao ex-coordenador do Bloco realizar-se-á esta quinta-feira, 19 de julho, no Rivoli, no Porto, às 21h. A par de intervenções e testemunhos de amigos e companheiros de lutas de João Semedo, a iniciativa contará ainda com momentos de música e poesia.

"João Semedo foi um cidadão exemplarmente empenhado e um grande parlamentar"

José Manuel Pureza pronuncia o voto de pesar pelo falecimento de João Semedo que foi aprovado por unanimidade pela Assembleia da República.

AR aprova voto de pesar pelo falecimento de João Semedo

No voto de pesar aprovado por unanimidade, a Assembleia da República manifesta a sua profunda consternação pela morte do cidadão exemplarmente empenhado e do grande parlamentar que foi João Semedo.

Centenas despediram-se de João Semedo com aplausos

Familiares, políticos de vários quadrantes e muitos cidadãos prestaram a última homenagem ao ex-coordenador do Bloco esta quarta-feira no Porto.

João Semedo

Como recordo Mário Soares

Neste artigo, publicado em janeiro de 2017, João Semedo escreveu sobre Mário Soares, destacou diferentes facetas e realçou: “do que não duvido é da sua consagração pela História como fundador da democracia portuguesa e da segunda República”.

Aquele em quem confiávamos

Quando se fizer a História das conquistas de uma democracia avançada em Portugal, o nome do João Semedo estará lá, como referência maior.

Catarina: João Semedo ficará “na história dos avanços da nossa democracia”

Catarina Martins destacou a generosidade que o ex-coordenador bloquista trazia às causas que abraçou e que fazem parte da história da democracia portuguesa.

Reações ao falecimento de João Semedo

O esquerda.net publica as notas de condolência e as reações à morte do antigo coordenador bloquista.

Vídeo: o João no Bloco

João Semedo em campanhas e iniciativas do Bloco de Esquerda. Fotos de Paulete Matos.

"Tive uma vida muito intensa, o que me enche de felicidade e boa disposição"

Antes de ser obrigado a abandonar por razões de saúde a candidatura à Câmara do Porto, João Semedo deu esta entrevista para um vídeo de campanha em alguns dos locais da cidade que mais marcaram a sua vida.

João Semedo (1951-2018)

Militante comunista contra a ditadura, defendeu a renovação do PCP e encontrou no Bloco de Esquerda o espaço de intervenção capaz de mudar a política portuguesa. “Tive a vida que escolhi, a vida que quis, não tenho nada de que me arrependa no que foi importante”, disse João Semedo na última grande entrevista que concedeu.